Monthly ArchiveDecember 2006



Austrália 20 Dec 2006 16:47

Carteira de motorista, final

Ontem, finalmente, fiz o teste de direção que mencionei antes. Foi extremamente simples; mais do que eu esperava, até. Durou uns 15 minutos e envolveu dirigir pelas ruas próximas ao escritório do VicRoads (o DETRAN daqui); foi no meio da tarde, então as ruas não estavam tão movimentadas, e a parte mais complicada foi prestar atenção nos bondes ao cruzar os trilhos.

Não precisei nem fazer estacionamento paralelo (“baliza”). Existem quatro “manobras em baixa velocidade” que podem ser solicitadas pelo inspetor: estacionamento paralelo, estacionamento em ângulo, retorno em rua estreita ou manobrar em ré até um ponto pré-definido; o que precisei fazer foi estacionamento em ângulo (perpendicular ao meio-fio).

Depois do teste, o inspetor diz quais erros foram cometidos e dá o resultado; dos 52 itens avaliados, passei em 48 (o mínimo é 44). A carteira fica pronta na hora, e vale por dez anos (bom, dá para optar entre três e dez anos de validade, e o preço pago é proporcional à validade; eu optei pela de dez). Agora não preciso me preocupar com isso até 2016…

Austrália 09 Dec 2006 18:00

Previsão do tempo: fumaça

Soa meio estranho, mas esta era a previsão do tempo para hoje em Melbourne: dia quente e seco, máxima de 37 graus, fumaça pela manhã. E foi bem o que aconteceu (se bem que a fumaça durou o dia todo).

A fumaça não é poluição, mas o resultado de incêndios florestais no interior do estado. Ajudados pelo calor, ventos fortes, ar muito seco e disponibilidade de combustível (vegetação seca; a floresta nativa é formada basicamente de eucaliptos, que queimam com muita facilidade), vários incêndios começaram a se espalhar por Victoria na sexta-feira, e o aumento do calor no fim de semana deixou todo mundo preparado para o início do que pode ser a pior temporada de incêndios de todos os tempos.

Esta imagem de satélite mostra a situação hoje à tarde:

Incêndios florestais em Victoria

Os pontos vermelhos são focos de incêndio, o ponto amarelo é Melbourne, a área branca é fumaça. A maioria dos incêndios fica a uns 250km de Melbourne.

E esta era a situação no centro de Melbourne hoje pela manhã:

Fumaça em Melbourne

Parece névoa, mas era fumaça. Ao ar livre o cheiro era bastante forte, e a visibilidade baixa causou vários problemas no aeroporto, com muitos vôos atrasando. O noticiário também mencionou que centenas de alarmes de incêndio com detetores de fumaça dispararam, dando trabalho para os bombeiros.

O fogo não se propagou tanto quanto se temia durante o dia porque o vento forte previsto para o interior do estado não aconteceu; a previsão para amanhã é de, de novo, 37 graus em Melbourne e 39-41 na área dos incêndios, com chance de vento forte. Deve começar a esfriar no início da noite, dispersando a fumaça na cidade e levando a uma segunda-feira chuvosa com máxima de 20 graus.

Austrália 06 Dec 2006 16:37

Melhor prefeito

Esta semana, o prefeito de Melbourne, John So, foi eleito o melhor prefeito do mundo em uma votação online. O prêmio foi promovido por uma organização internacional chamada City Mayors, que atua para promover governos locais. Ele competia com mais de 600 prefeitos do mundo todo (inclusive os de Belo Horizonte e Curitiba).

John So é um pouco folclórico em Melbourne. Ele é chinês, e veio para a Austrália com 17 anos; por causa disso, ele fala inglês com um sotaque muito forte. E, um pouco por causa disso, um pouco por causa do seu jeitão meio engraçado, ele é muito popular; mais ou menos como se fosse a “mascote” de Melbourne. Por exemplo, na abertura dos Jogos da Comunidade Britânica, no início do ano, ele foi (disparado) a autoridade mais aplaudida a discursar, e isso se repete sempre que ele aparece em público. O que, aliás, ele faz bastante; alguns dos councillors (o nosso equivalente aos vereadores) reclamam que ele não aparece muito para trabalhar na prefeitura, mas está sempre disponível para aparecer em público com a ex-Miss Universo Jennifer Hawkins ou com Bono (mas não com o Dalai Lama, que ele se recusou a encontrar há alguns anos).

Ele também é criticado por causa do sotaque, que dificulta a comunicação; um dos candidatos na última eleição abandonou a disputa depois de fazer um comentário maldoso sobre isso. O prefeito participa de uma série de comerciais de TV sobre atrações e eventos da cidade, mas ele geralmente fala apenas uma ou duas frases, com uma apresentadora de TV fazendo o resto da locução.

Para dar uma idéia do sotaque e da aparência do prefeito, aqui está um pequeno vídeo da participação dele no concerto “Making Poverty History” (aproveitando que mencionei Bono mais acima…) que aconteceu há algumas semanas:

(para quem lê via RSS, o vídeo está aqui)

So é o primeiro prefeito de Melbourne que foi eleito em voto direto, em 2001, e foi re-eleito com folga em 2004. Eu participei da eleição, mas não votei nele (quero dizer, não em primeira preferência; coloquei-o em quarto ou quinto entre os 23 candidatos). Mas, no fundo, o cargo de prefeito é menos “relevante” aqui do que no Brasil, por causa da organização política diferente. Muito do que seria cuidado pela prefeitura no Brasil, como, por exemplo, transporte público, fica a cargo do governo estadual. Assim, um prefeito “de exibição” não é algo tão inconveniente como poderia parecer…