Monthly ArchiveJuly 2006



Brasil 27 Jul 2006 16:37

Segurança

Mapa, Grandespe e TaperaNotícia na Zero Hora:

Assaltantes fazem 23 reféns em Tapera

A ação de uma quadrilha de assaltantes assustou os moradores de Tapera, no norte do Estado. Por volta das 17h30min de segunda-feira, 13 homens armados invadiram a matriz da empresa de sementes e defensivos agrícolas Grandespe.

Depois de fazer reféns um dos proprietários e 22 funcionários por quase duas horas, o grupo fugiu em quatro veículos roubados levando produtos, telefones celulares, uma pistola e uma quantia em dinheiro não revelada. O prejuízo causado pelos bandidos passa de R$ 500 mil.

[...]

A sede da Grandespe fica fora da cidade, em uma área relativamente isolada (como se pode ver no mapinha acima, cortesia do Google Maps; a empresa é aquela área imediatamente à esquerda do “G”). Agora, puxa vida, não existe mais nenhum lugar seguro mesmo, pelo jeito. Treze homens armados já não é um grupinho qualquer, é uma quadrilha grande.

A gente se preocupa com familiares e amigos que moram em cidades grandes, mas parece que os de cidades pequenas também merecem preocupação…

Austrália 25 Jul 2006 15:48

Roupas

Por algum motivo que eu não entendo, muita gente chega aqui procurando por “roupas típicas da Austrália”. A minha impressão é que existem poucas vestimentas que podem ser consideradas tipicamente australianas, mas aí vão algumas:

  • chapéu com rolhas: é exatamente o que o nome dá a entender, um chapéu com rolhas penduradas nas abas a intevalos regulares. O objetivo é, por incrível que pareça, afastar moscas. Nunca vi ninguém usando, mas parece ter sido comum no interior do país em tempos mais remotos (não sei se alguém ainda usa seriamente).
  • bermudas: no verão, é uma peça de roupa vista muito freqüentemente em qualquer lugar, inclusive escritórios.
  • “thongs”: na Austrália, thongs são os chinelos estilo havaianas, e são considerados quase que um símbolo do país; é importante perceber que nos EUA essa palavra geralmente se refere a outro tipo de vestimenta

Não é uma roupa, mas algo típico daqui é um varal que se chama “Hills Hoist”; é um varal circular, com um mastro central que sustenta todas as cordas e uma manivela para erguer e abaixar. Usa muito pouco espaço, é bastante prático e se vê por todos os cantos; é só sair um pouco do centro da cidade.

Acaso 17 Jul 2006 15:07

TV

Mais ou menos um ano atrás, eu escrevi sobre os programas de TV que eu estava assistindo na época. Hoje em dia, por algum motivo, tenho assistido menos TV do que naquela época (o fato de que agora temos um gato talvez tenha alguma influência…). Enfim, a situação atual, comparando com a anterior, é:

  • Ainda assisto regularmente:
    • Mythbusters (SBS, seg., 19:30): continuo assistindo, mas a SBS tem alternado com “Top Gear”, um programa automobilístico britânico; a partir desta semana passa “Top Gear”
    • Spicks and Specks (ABC, qua., 20:30): continuo assistindo
    • The Glass House (ABC, qua., 21:30): idem
    • Doctor Who (ABC, sáb., 19:30): a segunda temporada começou no sábado retrasado
    • Iron Chef (SBS, sáb., 20:30): depois de muito tempo passando só reprises, a SBS começou recentemente (depois da Copa…) a passar episódios novos, dois por sábado (“novos” em termos; os episódios são de 1995)
  • Deixei de assistir ou assisto com menos freqüência:
    • Desperate Housewives (Seven, seg., 20:30): as emissoras australianas demoram um pouco a passar alguns seriados americanos, e eles acabam ficando disponíveis por meios, digamos, extra-oficiais antes de irem ao ar aqui; a segunda temporada ainda está sendo transmitida pelo Seven, mas não estou assistindo por ali (já assisti quase toda)
    • The Apprentice: parou de ser transmitido aqui
    • Rockwiz: não tenho mais assistido; “perdeu a graça” (e, aliás, não tem sido transmitido recentemente)
    • My Restaurant Rules: não teve mais temporadas
    • Lost (Seven, qui., 20:30): situação idêntica à de “Desperate Housewives”; já acabei de ver a segunda temporada, mas de vez em quando me surpreendo ao descobrir que ainda está sendo transmitida na TV; até setembro, “em folga”
    • Amazing Race: assisti a última temporada, que acabou (aqui) há uns dois meses; no momento, não está passando, e não sei se vou assistir a próxima temporada
    • CSI (Nine, dom., 20:30): mais ou menos na mesma situação de “Lost”, mas não tenho assistido tão assiduamente; estou no meio da 6a. temporada, alguns episódios a frente da transmissão do Nine
  • Novos:
    • Battlestar Galactica: seriado de ficção científica; que eu saiba, não está passando em canal nenhum; “descobri” através do DVD da mini-série que foi lançada antes do seriado, e desde então venho lentamente assistindo os episódios; estou no meio da primeira temporada, e achando muito divertido
    • The Chaser (ABC, sex., 22:15): eles são mais ou menos o “Casseta & Planeta” da TV daqui; é um programa humorístico “pseudo-jornalístico” com algumas tiradas muito engraçadas, outras um pouco forçadas; são um pouco mais ousados que os Cassetas, acho: eles costumam participar de entrevistas coletivas verdadeiras com políticos e fazer perguntas completamente sem propósito ou abertamente críticas (os políticos conhecem o pessoal e levam na brincadeira) [tem vários vídeos deles no YouTube; alguns não vão fazer muito sentido para quem não conhece o contexto local, mas muitos são engraçados de qualquer jeito]

E, falando em TV (e em tempos de PCC…), olhem o que estréia hoje à noite, às 10, na SBS:


Programação da SBS

“Cidade dos Homens”, logo depois do noticiário. E lá se vai a imagem do país…

Acaso 11 Jul 2006 16:26

Moedas menores

A respeito do que escrevi ontem sobre as moedas neo-zelandesas: descobri que o problema está com os dias contados. No filnal de julho, as moedas de lá vão mudar: a moeda de cinco cents deixa de existir, a de dez muda de cor e todas ficam menores. Imagino que o objetivo seja reduzir custos.

O site do Reserve Bank da Nova Zelândia tem imagens das moedas atuais e das novas.

Austrália 10 Jul 2006 16:10

O Canadá da Austrália

Algum tempo atrás eu vi um cartão postal em algum lugar (acho que em um aeroporto) que tinha uma foto de uma paisagem muito bonita de montanhas e mar, com o título “New Zealand” e embaixo, em letras menores “Australia’s Canada” – “o Canadá da Austrália”.

Até faz um certo sentido: é um país próximo, com boas relações (cidadãos de um podem morar livremente no outro), mais discreto, com população sensivelmente menor, paisagens muito bonitas e clima um pouco mais frio. Muitos australianos vão para lá nas férias, e vários “australianos” famosos são neo-zelandeses (Russell Crowe, por exemplo). Ou seja, a Nova Zelândia está para a Austrália como o Canadá para os EUA.

Lembrei disso hoje, quando fui ver quanto dinheiro eu tinha em moedas e vi uma moeda um pouco diferente no meio da pilha. Achei que pudesse ser uma moeda comemorativa, mas não: era neo-zelandesa. É a segunda vez que ganho uma de troco sem perceber, e até onde pude ver o tamanho e cor delas é o mesmo que o das australianas do mesmo valor. Justamente como as canadenses, que são idênticas às americanas equivalentes e volta e meia vinham de troco, discretamente. E o dólar neo-zelandês vale um pouco menos que o australiano…

Austrália &Brasil 07 Jul 2006 16:52

Leis

Depois do incidente no Big Brother australiano sobre o qual escrevi antes, o governo está planejando apresentar ao Parlamento um projeto de lei regulamentando a transmissão de vídeo via Internet (streaming) pelas mesmas regras usadas para TV aberta. O que levou a isso foi o fato de que o governo descobriu que não podia multar o Channel Ten por causa da transmissão daquele evento, uma vez que o vídeo nunca foi ao ar.

Parece ser o comportamento natural de governos: quando uma lei não agrada alguém, faz-se uma nova lei. Vi recentemente exemplos interessantes de leis aparecendo no Brasil, também: tem o Severino “nepotismo” Cavalcanti tentando transformar nudez na televisão em crime, por exemplo; tem o Aldo “saci” Rebelo querendo misturar obrigatoriamente farinha de mandioca à de trigo; e assim por diante.

A lei daqui, aparentemente, tem pouca chance de passar, até porque um relatório do governo de dois anos atrás já dizia que é quase impossível exercer qualquer controle sobre vídeos transmitidos pela Internet (e não só por causa do caráter internacional da rede). As do Brasil, não sei; parece que a da mandioca tem uma boa chance de criar um mercado negro de farinha de trigo pura nos próximos anos…

Acaso 06 Jul 2006 14:58

Final da Copa

Parece provocação. Dois dos times mais antipáticos vão disputar a final. E não são antipáticos só porque um eliminou o Brasil e o outro eliminou a Austrália; se antes da Copa eu tivesse feito uma lista de times em ordem de preferência, esses dois iam ficar lá no fim, logo antes da Argentina.

Restam poucas opções, portanto. Posso acordar domingo de madrugada, assistir Portugal x Alemanha e fazer de conta que assisti a final. Ou posso torcer para que saia uma briga logo no início do jogo, o juiz expulse cinco jogadores de cada lado e o jogo acabe assim mesmo. Aliás, alguém sabe o que acontece nesse caso?

Acaso 05 Jul 2006 16:29

Superman Returns

Assisti ontem à noite “Superman Returns”, o novo filme do homem de aço. Achei divertido, e acho que realmente não era para ser mais do que isso. Ele segue exatamente a tradição do primeiro filme: mesmo estilo de vilão, mesmo tipo de situações, um Lex Luthor exuberante e com uma namoradinha ignorante, algumas cenas cômicas aqui e ali… Um pouco longo (2 horas e 33 minutos), mas ainda assim valeu pela diversão. “Suspension of disbelief” etc. etc.

O filme começa com o nosso herói voltando à Terra depois de passar cinco anos distante, procurando pelos restos do seu planeta natal; ele encontra um planeta que ainda se lembra muito bem dele, mas também encontra uma Lois Lane que o “esqueceu”, casada e com um filho.

No entanto, eu fiquei bem confuso com um fato: neste filme, Lois Lane não sabe que Clark Kent é o Super-Homem (e, aparentemente, ninguém achou estranho que os dois voltassem de uma ausência de cinco anos no mesmo dia). Eu lembrava claramente que em “Superman II” ela tinha ficado sabendo da identidade secreta do Clark; o que eu não lembrava, no entanto, era que no fim daquele filme o Super-Homem decidiu que o relacionamento entre eles era muito perigoso para ela e “apagou da memória” dela a história toda (assim como a quase totalidade dos espectadores apagou o filme todo da sua memória). Ou seja, ela não só não sabe da identidade secreta, mas tampouco sabe que houve um relacionamento amoroso entre eles. Esse, acredito, é um ponto importante para o próximo filme da série (que com certeza vai acontecer).

“Superman Returns”, cronologicamente, acontece logo depois (bem, cinco anos depois) de “Superman II”; para todos os efeitos, os filmes número III e IV nunca aconteceram e não se inserem na mesma linha cronológica (felizmente). Incidentalmente, a parte “urbana” da filmagem aconteceu em Sydney, que acabou fazendo o papel de Nova York fazendo o papel de Metropolis…

Austrália 04 Jul 2006 15:12

Big Brother

Com os Socceroos fora da Copa, o assunto do momento no país é o escândalo do Big Brother. O que está aparecendo nos noticiários é que, no fim de semana passado, dois moradores da casa “atacaram sexualmente” uma das moradoras, e isso foi exibido ao vivo para quem estava assistindo via Internet (era no meio da madrugada, imagino que não tenha sido muita gente). Os dois atacantes foram expulsos da casa logo em seguida por “violação das regras”.

Na prática, o que aconteceu foi que os rapazes chamaram a menina para a cama deles, ela foi, deitou sob as cobertas, um deles a segurou e o outro esfregou, digamos, certa parte do seu corpo no rosto dela. O vídeo não foi exibido no canal que está mostrando o programa, mas está espalhado pela Internet e apareceu um programa da ABC ontem à noite (não é tão explícito quanto a descrição dá a entender; foi feito com infra-vermelho, e o ângulo não é favorável). O diálogo é interessante: a menina, ao se deitar, diz “vocês não vão (fazer o que eles fizeram) comigo, vão?”; eles respondem que não, e ela diz “eu sei que vocês vão; eu vou matar vocês…” ou algo do gênero. E se deita! Depois que acontece ela dá risada e continua ali deitada, aparentemente acariciando um deles sob a coberta.

A emissora que transmite o Big Brother já estava sendo bastante criticada porque essa edição está um pouco “sexual” demais; um programa semanal chamado “Big Brother – for adults only”, que era transmitido um pouco mais tarde que o normal e passava os trechos mais picantes, já havia sido cancelado justamente por causa das críticas. Agora, então, ficou pior ainda para eles neste aspecto. A polícia entrevistou os três participantes envolvidos, mas como a menina não deu queixa, não vai fazer nada (e pode-se argumentar seriamente que ela participou voluntariamente do incidente). Até o Primeiro Ministro já falou no assunto, dizendo que o programa é “uma desgraça” e sugerindo que fosse cancelado. Fala-se em multar a emissora, também, apesar de o vídeo não ter ido ao ar (e duvido que multem a ABC, que é estatal, por mostrá-lo).

Para quem estiver curioso, o vídeo pode ser visto aqui. O único resultado até agora, fora a expulsão dos dois rapazes, foi que a audiência do programa aumentou…

Acaso 03 Jul 2006 14:31

Histórias de avião

Para quem está procurando informações sobre o acidente com o avião da Gol, sugiro o site especial do Terra. Esta página não fala sobre isso.


Esta aconteceu aí por 1996 ou 1997. A cena: aeroporto de Guarulhos, São Paulo; vôo da Vasp indo para Porto Alegre, na época em que a Vasp ainda voava. O embarque aconteceu normalmente, todo mundo entrou, as portas foram fechadas e o avião começou a andar. Só que, ao invés de se dirigir para a pista, ele estacionou em frente a um hangar de manutenção. O piloto, então, avisou que o avião estava com um problema no trem de pouso; seria feita um rápido conserto e seguiríamos viagem em uns 15 minutos.

Logo em seguida começamos a ouvir barulhos vindos de baixo do avião, e um lado começou a se erguer lentamente. Passaram-se vários minutos com o avião inclinado para a direita (e os sons continuavam), depois ele voltou à horizontal e seguimos viagem. A decolagem foi ok, o vôo também; nada digno de nota.

No pouso, entretanto… o tempo em Porto Alegre não estava muito bom, e imagino que estivesse ventando bastante. O resultado foi que o pouso foi muito brusco, provavelmente o pior em que já estive: o avião bateu com muita força no chão. Depois do barulhão e enquanto todo mundo ainda se recuperava do impacto, ouviu-se uma voz vinda lá do fundo do avião gritando: “por isso que estraga o trem de pouso!”


Esta é mais ou menos da mesma época, mas não envolve um avião diretamente. A cena: de novo aeroporto de Guarulhos, de novo um vôo para Porto Alegre, mas desta vez pela Varig, na época em que… bom, deixa para lá. Mais especificamente, a cena é o balcão de check-in da Varig. Por algum motivo, eu cheguei ao aeroporto muito antes do horário do vôo, e a atendente ofereceu a opção de embarcar em um vôo anterior ao meu. Eu alegremente aceito, e ela começa o processo de mudar a passagem e marcar o assento.

Uns segundos depois, ela levanta os olhos da tela do computador e me diz “olha, neste vôo só tem lugar em cima da asa; pode ser?”. Eu juro que gostaria de ter dito algo como “bom, eu preferiria ir dentro do avião” ou “será que com o vento eu vou conseguir ler?”, mas só o que eu acabei dizendo foi “como assim?”. Ela me olhou por um momento com uma expressão curiosa e daí percebeu o que tinha dito e caiu na gargalhada.

O que ela queria dizer, claro, é que só tinha lugar nos assentos localizados diretamente sobre a asa, mas dentro do avião (como ela fez questão de reforçar, aliás). O motivo da pergunta é que, no avião que faria aquele vôo, esses assentos não reclinam porque ficam em frente às saídas de emergência. Eu, claro, aceitei, já que era um vôo curto.

E realmente o assento era dentro do avião.


Esta é mais recente, aconteceu provavelmente em meados de 2003. O cenário é a área de embarque do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, pouco tempo depois da mudança para o prédio novo; era um vôo da Gol, indo para São Paulo. Para quem não conhece, no novo aeroporto de Porto Alegre os corredores que levam do salão de embarque até o avião (os “fingers”) são envidraçados; ou seja, se enxerga o avião no trajeto até ele. E, como normalmente se chega ao avião pela frente, é possível ver o que se passa na cabine do piloto.

Pois bem, neste dia havia, perfeitamente visível sobre o painel de instrumentos, em frente à janela, um material impresso; especificamente, uma brochura, parecendo um manual. Era em formato A4 (ou similar), com uma capa laranja (a cor da Gol); na frente havia o logotipo da Gol no alto, a foto de um avião no centro, e mais abaixo o título: “A Decolagem”.

Certo, eu sei que pilotos tem manuais na cabine e os consultam para procedimentos menos comuns; isso é perfeitamente normal. Agora, a decolagem eu esperaria que fosse um procedimento dominado sem precisar documentação impressa; certamente não é um procedimento incomum. Admito que achei estranho.

Entrando no avião, o mistério se resolveu: em cada assento havia uma cópia da mesma brochura. Não era um manual, era material promocional da primeiro aniversário da Gol, e a decolagem do título era uma referência metafórica ao crescimento da empresa no primeiro ano.

Vale dizer que o vôo foi perfeitamente tranqüilo. A decolagem também.


P.S.: Copa? Que Copa?

P.P.S.: ok, um comentário sobre a Copa: pelo menos ficou bastante claro para todo mundo que a seleção não estava escondendo o jogo nas primeiras partidas.