Monthly ArchiveFebruary 2006



Acaso 20 Feb 2006 10:55

Deu pra ti…

Matando saudades de Porto Alegre: o filme de domingo à noite da SBS foi O Homem que Copiava, do Jorge Furtado. Com o título em inglês de “The Man Who Copied”.

Austrália 14 Feb 2006 11:58

Escândalos

Para não dizer que não acontece nada na política daqui… o “assunto do momento” é uma denúncia de que uma empresa australiana teria pago suborno para membros do governo iraquiano, na época de Saddam Hussein, para poder exportar trigo para lá.

A empresa em questão, AWB (Australian Wheat Board), controla toda a exportação de trigo da Austrália. Era, até 1999, um orgão do governo, mas hoje é uma empresa privada. O suborno teria acontecido entre 1996 e 2003, no período em que o Iraque estava sob sanções econômicas mas podia comprar alimentos do exterior com permissão da ONU. A alegação é que a AWB teria pago cerca de 300 milhões de dólares australianos para membros do governo, incluindo o próprio Saddam Hussein, como suborno para que o Iraque comprasse trigo australiano; seria uma dentre cerca de 2.200 empresas de todo o mundo que teriam feito o mesmo, totalizando 2,4 bilhões de dólares para o bolso dos iraquianos corruptos.

O interessante é que os fatos não estão muito sob discussão: o pagamento aconteceu mesmo e ninguém nega muito. A discussão é sobre dois assuntos: se o governo sabia do que estava acontecendo, e se isso era algo tão errado assim.

O governo, claro, afirma que não tinha nenhuma informação sobre os subornos, e que isso é um problema apenas da AWB e seus diretores. A oposição afirma que membros do governo, inclusive o próprio Primeiro Ministro (que esteve no cargo durante todo o período em que o suborno aconteceu), sabiam do que estava acontecendo e não fizeram nada. Qualquer semelhança com eventos no Brasil é mera coincidência.

A outra questão parece até mais interessante. Algumas pessoas, inclusive economistas importantes, afirmam que subornar membros de governos estrangeiros é parte do preço de fazer negócios com países de terceiro mundo e, tecnicamente, não é contra nenhuma lei australiana (apesar de ser algo proibido pela ONU). Ou seja, há quem afirme que não só não existe problema nenhum, com também essa é uma prática corriqueira. O caso em questão seria mais grave, legalmente falando, apenas por causa das sanções econômicas sendo impostas ao Iraque na época.

Essa é uma discussão mais “técnica”, mas ela acaba sendo o foco da investigação do governo: o que se quer saber é se a AWB violou alguma lei local e, em caso positivo, quem estava envolvido. Politicamente, no entanto, a questão é um pouco mais complicada, porque o Saddam Hussein não é exatamente uma figura muito simpática, e a Austrália participa das forças militares que estão ocupando o Iraque; se o governo sabia do que estava acontecendo, a coisa fica muito estranha.

Vale comentar que os subornos em questão não sairam do bolso dos australianos: o preço do trigo vendido foi “inflado” para cobrir o suborno sendo pago, o que quer dizer que na prática o que acontecia era um “desvio de verbas” direto dos cofres iraquianos para os cofres do Saddam e seus amigos; a AWB não perdeu um centavo (nem os contribuintes e fazendeiros australianos).

Acaso 09 Feb 2006 17:05

Exercício de física

Imaginem a seguinte situação (descrita originalmente aqui):

Um avião está estacionado em uma pista móvel (como se fosse uma esteira rolante). O avião se move em uma direção, e a esteira na direção oposta. A esteira tem um sistema de controle que acompanha a velocidade do avião e faz com que a esteira tenha exatamente a mesma velocidade, na direção oposta. A pergunta é: o avião vai conseguir decolar?

Depois de pensar no assunto por mais tempo do que deveria, eu concordo com o autor original: o avião decola normalmente, desde que a esteira seja longa o suficiente (tão longa quanto a pista que o avião precisaria para decolar normalmente).

Comentários?

Atualização em 01/02/2008: os Mythbusters testaram esse problema usando um avião de verdade. O avião decolou normalmente, como esperado. Detalhes (em inglês) aqui.